Não é segredo para ninguém que as mudanças climáticas estão acontecendo a todo vapor e que estamos passando por eras mais quentes na história da humanidade. Ao longo de anos de estudo e empenho na área ambiental tentando entender o que os órgãos reguladores mundiais estão realizando, tive contato com a mais atual pratica de sustentabilidade os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. Ao ler este artigo, pense em como as metas podem nos ajudar a encontrar soluções para a mudança climática.

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável são 17 metas estabelecidas pelas Nações Unidas, incluindo acabar com a pobreza, reduzir a desigualdade e enfrentar as mudanças climáticas. As metas estão todas interligadas porque somos uma espécie globalizada vivendo em um planeta. Por exemplo, espera-se que a mudança climática tenha seus maiores impactos nas comunidades mais pobres e vulneráveis.

Os objetivos e metas não são juridicamente vinculantes, mas estão sendo implementados em politicas de nível nacional, e muitas empresas e comunidades estão respondendo positivamente a elas.

Assistir Palestra Gratuita

Como a Mudança Climática se relaciona com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável? 

A mudança climática não apenas ameaça o Sistema Terrestre, mas também pode prejudicar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. O aumento do nível do mar inundará cidades e resultará em migração. O aquecimento global aumenta a ameaça de espécies invasoras de pragas para a agricultura e a disseminação de doenças. A acidificação dos oceanos ameaça a saúde dos recifes de corais e pode comprometer as pescarias que dependem deles.A mudança climática já está afetando a saúde pública, a segurança alimentar e hídrica, a migração, a paz e a segurança. A mudança climática, deixada sem controle, reverterá os ganhos de desenvolvimento que fizemos ao longo das últimas décadas e impossibilitará novos ganhos.

Para poder identificar soluções viáveis para ameaças ambientais globais, primeiro precisamos entender a natureza dessas ameaças. Se você estiver familiarizado com a ciência básica da Mudança Climática, sinta-se à vontade para pular este passo.A Terra é cercada por uma fina camada de gases - a atmosfera - que impede que uma parte da energia térmica da Terra irradie para o espaço e a envie de volta à superfície. Portanto, a atmosfera age como um cobertor ao aprisionar energia térmica. Os chamados "gases do efeito estufa", como o dióxido de carbono (CO2), o metano (CH4) e o vapor de água, desempenham um papel fundamental na manutenção desse cobertor. Sem isso, a Terra seria de cerca de -18˚C! O problema é que a atividade humana está produzindo gases de efeito estufa. Grande parte de nossa vida cotidiana envolve a queima de combustíveis fósseis, que liberaram dióxido de carbono na atmosfera, tornando o cobertor mais espesso. Isso resulta em aquecimento global.

A mudança climática é mais do que apenas o aquecimento global. Cerca de um terço das nossas emissões de dióxido de carbono são absorvidas pelos oceanos, onde reagem com a água do mar para formar um ácido fraco. Isso resulta na acidificação do oceano, uma diminuição do pH do oceano. Além disso, os oceanos estão se tornando mais quentes à medida que absorvem grande parte da energia extra que está sendo retida pela atmosfera. Este calor extra inicialmente vai para a superfície do oceano, onde, por exemplo, pode fornecer mais energia para os furacões, tornando essas tempestades mais ferozes. A acidez e o calor extra também estão lentamente sendo misturados no fundo do oceano, com implicações preocupantes para os ecossistemas e habitats sobre os quais sabemos muito pouco, como os recifes de coral do fundo do mar.De volta à terra, a mudança climática está começando a mudar os padrões de precipitação (chuva ou queda de neve). Uma atmosfera mais quente contém mais umidade e eventos extremos de precipitação estão se tornando mais freqüentes em algumas regiões. Além disso, o derretimento do gelo marinho que circunda a Groenlândia significa que mais umidade pode ser captada e transportada para o centro da camada de gelo da Groenlândia e depositada como neve lá. No entanto, outras regiões terrestres estão ficando mais secas graças ao aquecimento e às mudanças na circulação atmosférica. Por exemplo, secas severas atingiram a Amazônia floresta tropical - em 2005, 2010 e novamente em 2015/6. O Mediterrâneo também está sofrendo com o agravamento das secas.Todas as partes do mundo serão afetadas de alguma forma pelas mudanças climáticas. O Ártico é um dos lugares de aquecimento mais rápido e a cobertura de gelo marinho está diminuindo ano após ano. As geleiras do manto de gelo da Groenlândia e da península Antártica estão acelerando e recuando a taxas nunca antes vistas. A expansão do deserto está afetando a terra agrícola na África. Até o final deste século, a elevação do nível do mar ameaçará centenas de milhões de pessoas em cidades e países de baixa altitude, incluindo Bangladesh, Bangcoc e Nova York. Se você acha que não vai acontecer em breve, lembre-se dos eventos do furacão Sandy, quando grande parte de Manhattan foi inundada por esse evento extremo.

Temperaturas médias em todo o mundo estão em um recorde de alta, e tem sido assim por vários anos. Elas são impulsionadas predominantemente pelo aumento das concentrações de gases do efeito estufa, como o dióxido de carbono, que resultam do nosso uso contínuo de combustíveis fósseis, precisamos concentrar nossos esforços para a redução dos impactos ambientais o mais rápido possível e enquanto não reduzirmos as emissões de gases do efeito estufa, podemos esperar tendências de alta nas temperaturas médias globais.

Estima-se que o Brasil produza, a cada 24 horas, 240 mil toneladas de lixo. O dado mais alarmante é que nos últimos 20 anos, dobrou a quantidade de lixo gerado por pessoa. São números impressionantes, que refletem o quanto o ser humano precisa reciclar a si próprio, reformando seus hábitos, suas atitudes e sua visão de mundo, tendo em vista a perenidade do planeta e da própria espécie.

Promover mudanças de hábitos não é fácil, é um desafio cotidiano. É extremamente importante que as pessoas se conscientizem do uso racional de agua, energia e que também repensem sobre o consumo de produtos pois a geração dos resíduos são inevitáveis.

Alternativas Sustentáveis

Valorização de Resíduos
Valorização de Resíduos

Programa Aterro Zero tem como princípio a destinação ambientalmente adequada e sustentável de todos os resíduos e rejeitos, evitando ao máximo o envio para Aterros Sanitários. Por meio da reciclagem dos materiais em matérias-primas secundárias ou em combustíveis para energia renovável.

Combustível Derivada de Resíduos - CDR nada mais é do que a utilização de resíduos como combustível para geração de energia. Através da nossa política de buscar sempre soluções para o reaproveitamento e reciclagem dos resíduos, nós adotamos os procedimentos gerenciais e operações específicas com o propósito de valorizar resíduos, buscando sempre a melhor solução ambiental, transformando-os em matéria-prima para fonte de energia renovável.

O nosso processo conta com a seleção de resíduos com alto teor calorífico que podem ser reaproveitados como combustíveis, como resíduos sólidos não perigososclasse II, sempre atendendo às especificações de nossos clientes.

É considerada uma produção limpa pois a matéria-prima provém de resíduos, e este combustível é geralmente utilizado para geração de calor em fornos industriais e fornalhas de siderúrgicas, metalúrgicas além do setor papeleiro ou cerâmico. Para a produção de CDR são separados os resíduos não valorizáveis resultantes da triagem de resíduos industriais e resíduos de construção e demolição, os quais antigamente tinham como destino final os aterros industriais.

A Recuperação Energética é hoje uma realidade e uma alternativa concreta para a destinação dos resíduos sólidos urbanos em várias localidades. A tecnologia transforma o resíduo urbano em energia elétrica e térmica por um processo amplamente utilizado ao redor do mundo, pois aproveita o alto poder calorífico contido nos resíduos sólidos para uso como combustível. Além de estar expressamente prevista nas disposições da PNRS como uma das alternativas de destinação ambientalmente adequada de resíduos, a recuperação energética pode trazer alguns resultados adicionais quando colocada em prática:

• É uma das soluções para a destinação final dos resíduos urbanos não recicláveis recomendada pelo IPCC/ONU;

• Reduz a emissão de gases do efeito estufa (GEE) dos aterros sanitários.

• Possibilita a recuperação energética mais eficiente dos resíduos urbanos que estariam inutilizados ou sub-utilizados;

• Substitui fontes fósseis de energia, com vistas à otimização de recursos naturais;

• Exige menor área para sua implantação, pode ser instalada próxima aos centros urbanos, o que implica em redução dos custos de coleta e transporte dos resíduos.

A Recuperação Energética é sem sombra de dúvidas uma das principais alternativas no gerenciamento dos resíduos urbanos e industriais. Países que adotaram esse processo, além de criar novas matrizes energéticas, conseguiram reduzir substancialmente o volume de seus resíduos sólidos, esse, um benefício incalculável para as cidades com problema de espaço.

“A cada uma tonelada de CDR é reduzimos 1,2 toneladas de emissão de CO2, contando tanto a parte de substituição do combustível em si, mas também o que eu deixo de enviar para o aterro, que tem a emissão do gás metano”.

No dicionário da língua portuguesa, a palavra “lixo” aparece como qualquer coisa sem valor ou utilidade, porém com a chegada da legislação SMA n°38 em 2018, que permite o licenciamento e a operação do processamento do lixo em combustíveis, este conceito passa a ser antiquado e o que para muitos era considerado sem valor agora serão realizados reaproveitamento e ganhos ambientais extremamente importante para nosso planeta.

Acreditamos que nos próximos 5 anos nossos processos estarão enraizados na sociedade e na cultura de uma nova alternativa sustentável para tratamento do lixo, reduzindo significativamente as emissões de gases do efeito estuda causadas pelo lixo nos aterros.

Outro grande passo para reduzir o envio de CO2 na atmosfera é o Outsourcing de Biovapor, a empresa preocupa-se apenas com o pagamento de consumo mensal do Biovapor, enquanto todo o projeto, execução, operação e manutenção fica por conta da Salmeron. Ou seja, todos os custos e investimentos são 100% nossos.

Com a adoção da energia limpa a partir da biomassa, é possível ter uma economia mensal no custo com o consumo de energia e obter um perfil mais competitivo e sustentável.

reciclagem de madeira
reciclagem de madeira

Sobre a Salmeron:

Atuamos a mais de 40 anos no segmento de gestão de resíduos e reciclagem. Somos reconhecidos pelo pioneirismo na reciclagem energética, certificados pelo FSC e pelas ISO 14.001 e ISO 9001  para o mercado de energia limpa e sustentável e pelo amplo investimento em melhorias e inovações no serviço de Gestão Total de Resíduos (coleta, tratamento, reciclagem, recuperação, armazenamento, descaracterização, valorização e comercialização de diversos tipos de resíduos). Somos licenciados pelos órgãos competentes (CETESB, INEA, SEMAD, IAP).

Entre em contato conosco para ser um parceiro de sucesso na Geração de Energia Renovável.

Sobre o Autor

Deixe um comentário:
*

Your email address will not be published.